Skip to main content
Njato

Promovendo direitos e mudanças

para uma Vida Digna

Nossa Identidade

A AAMoz é uma organização nacional não-governamental, membro afiliado 42 da Federação Internacional ActionAid, que trabalha para o alcance da justiça social, igualdade de género e erradicação da pobreza. Outrossim, é importante referir que outrora existia a ActionAid Internacional, uma delegação da ActionAid do Reino Unido, que iniciou as actividades em Moçambique em 1988, transferindo-as para a Associação ActionAid Moçambique, criada em 2012.


 

"Reuniões do FMI são uma oportunidade para abordar políticas prejudiciais de austeridade e dívida", ActionAid

As reuniões anuais do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial em Marrocos são uma oportunidade para abordar políticas prejudiciais de austeridade e dívida que deixaram milhões de pessoas na pobreza no continente africano, diz a ActionAid

A ActionAid publicou um novo relatório baseado em pesquisas em 10 países intitulado 'Cinquenta anos de fracasso - o FMI, a dívida e a austeridade em África.O relatório mostra que, apesar de mudar sua retórica, a prática do FMI sobre austeridade permanece inalterada e impactou negativamente o desenvolvimento. O relatório destaca o seguinte:

  • Seis bilhões de pessoas enfrentam agora a austeridade, em grande parte devido à relutância do Fundo Monetário Internacional (FMI) em aceitar que o seu modelo económico falhou.
  • Os países africanos ainda têm muito pouca palavra a dizer na tomada de decisões no Banco Mundial e no FMI, com menos de 10% de participação no conselho do FMI. 
  • O FMI está aconselhando cortes nos gastos públicos que estão tendo um efeito prejudicial na saúde, educação e esforços para combater a crise climática.

As reuniões anuais do FMI e do Banco Mundial estão ocorrendo em Marrakech, Marrocos, de 9 a 15 de outubro de 2023, a primeira vez no continente africano em 50 anos, em meio à falta de desenvolvimento significativo, apesar de décadas de programas econômicos das instituições. A realidade para muitos africanos é que o modelo neoliberal defendido pelo FMI e pelo Banco Mundial minou o desenvolvimento e perpetuou a pobreza. Cinquenta anos de fracasso - o relatório FMI, Dívida e Austeridade em África demonstra que os conselhos dados aos países africanos impõem a prioridade dos pagamentos da dívida em detrimento de despesas cruciais em saúde, educação e ação climática.

"A realização das reuniões do FMI e do Banco Mundial em África representa uma oportunidade para repensar fundamentalmente a natureza colonial das instituições. Pouco mudou desde o ajustamento estrutural na década de 1980, que conduziu a uma "década perdida" para o desenvolvimento. O impulso para a austeridade não foi cumprido, e há evidências crescentes de que sufocaram o crescimento econômico e o desenvolvimento em toda a África", diz Peter Kamalingin, Diretor da ActionAid para a África e Estratégia Política e de Programas Globais.

Apesar dos repetidos apelos para enfrentar a crise da dívida por meio de intervenções mais sistêmicas, o FMI continua a colocar a culpa em países individuais, impulsionando políticas de austeridade que restringem os gastos com saúde, educação e ação climática em todo o mundo e na África. Isso resultou em uma força de trabalho do setor público que está em crise, com escassez desesperada de enfermeiros, professores e outros trabalhadores essenciais em todo o continente e está colocando os países africanos em segundo plano em seus esforços para mitigar e se adaptar à crise climática.

"Chegou a hora de os governos africanos traçarem um caminho diferente para o nosso futuro, isso deve começar com a resistência ao modelo colonial de desenvolvimento econômico defendido pelo FMI e pelo Banco Mundial, que se baseia na austeridade, exploração e extração do Sul Global", disse John Nkaw, diretor nacional da ActionAid Gana.

"O FMI até agora não reconheceu seu próprio poder e papel nos impactos nocivos e de gênero da austeridade, muito menos enfrentá-la. Este conselho político ultrapassado do FMI está implícito em minar os direitos das mulheres, como nós e muitos grupos de mulheres temos Documentado. Precisamos realmente ver um fim imediato para os cortes na massa salarial do setor público, congelamentos e permitir os investimentos públicos urgentemente necessários em saúde, educação e respostas à crise climática", diz Roos Saalbrink, Líder Global de Justiça Econômica e Serviços Públicos da ActionAid.

O impacto destas políticas tem sido profundo, especialmente sobre as mulheres e as pessoas e comunidades marginalizadas que enfrentam o peso das medidas de austeridade. A ActionAid documentou o impacto de género desses cortes, com as mulheres sendo as primeiras a perder acesso a serviços, as primeiras a perder oportunidades de trabalho decente e as primeiras a absorver a crescente onda de cuidados não remunerados e trabalho doméstico. A crise da dívida também está acelerando a crise climática – forçando os países a ganhar moeda estrangeira investindo em combustíveis fósseis e agricultura industrial.

Thokozani Chiotcha, enfermeira e técnica de parteira no Malawi diz:

"Com as medidas de austeridade, o Governo não consegue recrutar mais enfermeiros e os salários continuam baixos, apesar do aumento do custo de vida. Pior ainda, temos suprimentos médicos inadequados, e alguns pacientes estão sendo encaminhados para o Hospital Queen Elizabeth em Blantyre, que fica a cerca de 200 quilômetros de distância, porque não fornecemos esses serviços aqui. Como enfermeira, preciso de formação contínua no meu trabalho, mas isso raramente acontece, pois continuamos a ouvir que o governo não tem recursos para a formação."

Sarah Asiedu Ashiaman, moradora da Grande Accra, em Gana, diz:

"A austeridade impactou tanto a minha vida que o poder aquisitivo da minha família diminuiu. Há uma inflação anual de mais de 40%, mas o reajuste salarial dos servidores públicos não aumentou para acompanhar a inflação. Em 2021, houve um aumento salarial de 4%, enquanto 2022 teve um incremento de sete por cento. Esses aumentos marginais reduziram a capacidade de compra da minha família. Meu marido, que é professor cujo salário é a principal renda da família, tem trabalhado muito, mas nosso poder de compra continua diminuindo ano a ano por causa da austeridade do governo."

No arranque das reuniões do FMI e do Banco Mundial em Marraquexe, a ActionAid apela:

  1. O FMI e o Banco Mundial para facilitar o cancelamento da dívida de forma equitativa, rápida, abrangente e considerável, para que o serviço da dívida não reduza os recursos para saúde, educação, outros serviços públicos e ação climática.
  2. O fim imediato dos cortes e congelamentos prejudiciais da massa salarial pública que minam os investimentos urgentemente necessários em saúde, educação e respostas à crise climática.
  3. Além dessas instituições, todos os governos devem apoiar uma solução sistêmica para a crise da dívida que vá além do quadro comum e seja negociada coletivamente em vez de país a país, usando espaços de decisão da ONU onde os países africanos têm mais representatividade.
  4. Uma mudança radical de políticas ultrapassadas de austeridade e fiscal para avançar em soluções sensatas para aumentar o espaço para investimentos públicos tão necessários, como reformas tributárias progressivas.
Metangurine, Zambezia
News

MULHERES DO ESPAÇO SEGURO DE NAMUTÁNGURINE NECESSITAM DE APOIO PSICOSSOCIAL

Read more
Liderança e desenvolvimento
News

COLABORADORES DA ACTIONAID TREINADOS EM LIDERANÇA

Read more
Foto família- Governo da Manhiça e delegação da AAMoz
News

𝐆𝐎𝐕𝐄𝐑𝐍𝐎 𝐄 𝐏𝐎𝐏𝐔𝐋𝐀ÇÃ𝐎 𝐃𝐀 𝐌𝐀𝐍𝐇𝐈Ç𝐀 𝐄𝐍𝐀𝐋𝐓𝐄𝐂𝐄𝐌 𝐅𝐄𝐈𝐓𝐎𝐒 𝐃𝐀 𝐀𝐂𝐓𝐈𝐎𝐍𝐀𝐈𝐃

Read more
Latest publications
Publication

Anúncio de concurso Público- Sofala

Read more
Publication

Posicionamento da Coligação Transparência e Justiça Fiscal sobre a situação em Cabo Delgado

Read more
Publication

Newsletter "Caminhando Juntos" 2ª edição.

Read more